Série espanhola ‘La Casa de Papel’ irrita os islamitas turcos


Última atualização em 16/04/2018 às 08h34, por Alberto

“De onde você é?”. “Espanhol”. “Ah, La Casa de Papel!”. Antes, na Turquia, esse diálogo costumava terminar com um “Messi, Ronaldo. Real Madri, Barcelona”. Agora não. A série espanhola, sobre um ataque quase perfeito à Casa da Moeda espanhola, transformou-se em um fenômeno social na Turquia: ouve-se falar dela em ônibus e academias, em faculdades e cafés.
Tanto é assim que, para anunciar a estreia da segunda temporada, sua distribuidora internacional, a Netflix, gravou um anúncio em Istambul dirigido ao público turco. Nele vemos vários atores de macacões vermelhos e máscaras dalinianas andando pela cidade ao som de Bella Ciao. Algo que não tem agradado nem um pouco aos comentaristas favoráveis ao presidente Recep Tayyip Erdogan.
“Da música aos slogans, dos vestidos aos cenários, cada fotograma inclui mensagens subliminares. Isso deve ser investigado”, escreveu Ömer Turan a seus mais de 136.000 seguidores no Twitter. Para esse apresentador da rede AkitTV, o anúncio de La Casa de Papel procura incitar os jovens turcos a uma “segunda Gezi”, a revolta que em 2013 pôs o Governo de Erdogan contra a parede e que os fundamentalistas islâmicos turcos veem como um complô armado pelas grandes potências para destruir a Turquia. “É melhor ser paranoico do que ficar sem Estado”, sentenciou Turan.
A essas palavras se seguiram as do ex-prefeito de Ancara Melih Gökçek (com quatro milhões de seguidores), que pediu a intervenção “da polícia e dos serviços secretos”. Para ele, La Casa de Papel está se tornando um “símbolo de rebeldia” muito perigoso.
Em outro lugar, esses comentários passariam despercebidos, mas a Turquia se transformou em um país onde há vários jornalistas presos sob a acusação de divulgar “mensagens subliminares” a favor da tentativa de golpe de Estado de 2016, e onde um dos assessores de Erdogan disse temer que o presidente seja assassinado “por telecinese”. Além disso, a polêmica chega em um momento em que o Parlamento deu ao Conselho de Rádio e TV novos poderes para regular o conteúdo das plataformas digitais, que têm feito muito sucesso precisamente porque escapam à censura das autoridades turcas.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fonte: msn.com